LITERATURA – BRASILEIRA


Mês: julho 2014

  • A Escravidão (Tobias Barreto)

    Se Deus é quem deixa o mundoSob o peso que o oprime,Se ele consente esse crime,Que se chama a escravidão,Para fazer homens livres,Para arrancá-los do abismo,Existe um patriotismoMaior que a religião. Se não lhe importa o escravoQue a seus pés queixas deponha,Cobrindo assim de vergonhaA face dos anjos seus,Em seu delírio inefável,Praticando a caridade,Nesta hora […]

  • Desejo (Hora do Delírio) – Junqueira Freire

    O Peregrino Sobre o Mar de Névoas.Pintura: Caspar David Friedrich Se além dos mundos esse inferno existe,Essa pátria de horrores,Onde habitam os tétricos tormentos,As inefáveis dores; Se ali se sente o que jamais na vidaO desespero inspira:Se o suplício maior, que a mente finge,A mente ali respira; Se é de compacta, de infinita brasaO solo […]

  • MAR PORTUGUÊS (Fernando Pessoa)

    Ó mar salgado, quanto do teu salSão lágrimas de Portugal!Por te cruzarmos, quantas mães choraram,Quantos filhos em vão rezaram!Quantas noivas ficaram por casarPara que fosses nosso, ó mar! Valeu a pena? Tudo vale a penaSe a alma não é pequena.Quem quer passar além do BojadorTem que passar além da dor.Deus ao mar o perigo e […]

  • UM (José Neres)

    Mais de mil sonetos falam de amor, Dez mil idolatram a solidão, Mas estes meus têm outro sabor, Sabor de fome medo e podridão. Os meus versos dão muito mais valor Às lágrimas suadas pela mão De um pobre e sofrido trabalhador Que às gotas perfumadas da paixão Eu não posso cantar sobre uma flor […]

  • A UM MENINO DE RUA (José Neres)

    Menininho triste Triste de tanto sofrer Será que nunca viste O sol cedo nascer? Garoto cor de neve De neve negra e quente A alguém você deve A tristeza de ser gente. Menino que passa fome Fome de saber Aprende a ler teu nome Para nunca dele esquecer. Menino de Rua Poema extraído de Negra […]